ANS autoriza reajuste de até 14,01% para planos de saúde contratados até 1998

img ANS
05/07/2016 / Fonte: Extra Globo

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) limitou os índices máximos a serem aplicados aos contratos de planos de saúde individuais antigos, contratados antes de janeiro de 1999, de quatro operadoras que assinaram Termos de Compromisso (TC). A medida afeta cerca de 316.920 beneficiários de planos de saúde de determinados planos antigos das seguintes operadoras: Amil, Bradesco Saúde, Sul América e Itaúseg Saúde.

Segundo a agência reguladora, a medida atinge apenas 0,65% do total de beneficiários de planos de assistência médica no Brasil. O maior reajuste será para a Amil Assistência Médica Internacional, em que 17.779 beneficiários terão aumento de até 14,01%. Já o limite autorizado para as demais operadoras foi de 13,47% e afetará 154.632 clientes da Sul América Companhia de Seguro Saúde, 133.775 beneficiários da Bradesco Saúde e 10.735 clientes da Itaúseg Saúde.

Caso as operadoras ultrapassem os percentuais definidos, estão sujeitas a autuações e multas. Será permitida cobrança retroativa de até dois meses, se houver defasagem entre a aplicação do reajuste e o mês de aniversário do contrato. Por exemplo: se o aniversário do contrato é em junho e o reajuste for aplicado em agosto de 2016, será permitida a cobrança retroativa no próprio mês de agosto e no mês de setembro dos valores que não foram aplicados nos meses de junho e julho.

Com Uber, seguro do carro fica até 50% mais caro

uber

 

21/06/2016 / Fonte: MotorShow

Levantamento comparou as diferenças no valor do prêmio de um mesmo modelo para uso pessoal ou profissional

Pensa em cadastrar o seu carro particular em um aplicativo de caronas pagas? Então é melhor preparar o bolso. Um levantamento realizado pelo site de cotação e venda de seguros ComparaOnline aponta diferenças de até 50% no valor do prêmio entre um veículo de passeio e outro cadastrado em serviços como o Uber, BlaBlaCar e Cabify.

Essa variação foi a constatada para o Toyota Corolla, apontado pelo site como o modelo com maior número de cotações para uso nesses serviços de transporte. O valor médio do prêmio passou de R$ 4.359,45, como veículo de passeio, para R$ 6.574,70, como veículo de trabalho.

A pesquisa encontrou variações expressivas também para outros modelos populares nos serviços Uber X e Uber Black, de acordo com o banco de dados da ComparaOnline. O seguro para o Nissan Sentra variou 46% (de R$ 4.344,95 para R$ 6.371,31). Já o prêmio do Chevrolet Onix aumentou 22% para os motoristas dos aplicativos (R$ 1.306,28 para R$ 1.606,25). O seguro dos modelos Fiat Palio Essence, Honda Civic e Renault Sandero variou 19%, 16% e 8%, respectivamente.

 

Nota Nossaseg: alterar o uso do veiculo de particular para Uber tem efeitos no contrato do seguro . Recomendamos aos clientes informarem para que um ajustamento da apolice se proceda adequadamente ,evitando transtornos no momento de indenizações

Susep alerta para a ilegalidade da proteção veicular

3
13 de junho de 2016 12:59 Fonte: Susep

Em função de notícias veiculadas recentemente na mídia a respeito de operações denominadas “proteção veicular” feitas por associações e cooperativas, a Superintendência de Seguros Privados (Susep) esclarece os seguintes pontos.

• É vedada a operacionalização de seguros por associações e cooperativas, sendo operações exclusivas de sociedades anônimas autorizadas pela Susep;

• No que diz respeito exclusivamente às cooperativas, de acordo com o Decreto Lei nº 73/1966, em seu artigo 24, essas entidades podem comercializar apenas seguros agrícolas, de saúde e de acidentes de trabalho, desde que devidamente autorizadas pela Susep;

• A contratação de qualquer produto de seguro oferecido por entidades não autorizadas pela Susep representa um risco ao patrimônio dos consumidores;

• Não há similaridade entre os seguros oferecidos por empresas com sólidas reservas que garantem as indenizações aos consumidores, e as operações da chamada “proteção veicular”, que não possuem nenhum tipo de garantia ou supervisão do Estado;

• Na página da Susep podem ser conferidas quais empresas são autorizadas a comercializar seguros;

• A Susep foi responsável por 161 ações civis públicas, atualmente em curso, contra cooperativas, associações e outras instituições que operavam ilegalmente, sob a forma de seguradoras.

A Susep, como órgão responsável pelo controle, fiscalização, supervisão e fomento dos mercados de seguros, previdência, capitalização e resseguros e corretagem de seguros tem como princípio zelar continuamente pelo equilíbrio desse mercado e com foco nos direitos dos consumidores.

Sem anúncio

%d blogueiros gostam disto: