Deter o aquecimento

 

Um grande passo para a redução das emissões de gases de efeito estufa acaba de ser dado, com a adesão do SindusCon-SP ao Protocolo Climático do Estado de São Paulo.

Lançado internacionalmente pela secretária de Meio Ambiente, Patrícia Iglecias, na COP 21 em Paris, o Protocolo Climático já conta com a participação de mais de 60 empresas e associações.

O SindusCon-SP capacitará as construtoras na avaliação das emissões de gases de efeito estufa e, junto com o governo estadual, formatará um plano de trabalho que contemple a elaboração e a validação de uma metodologia e de uma ferramenta para o cálculo das mesmas no setor de edificações.

Graças a esta iniciativa, construtoras e incorporadoras terão condições de inventariar e medir as emissões de seus empreendimentos, para estabelecer metas e planos de ação visando a sua redução.

Isto possibilitará intensificar o esforço de redução que já está sendo feito pelas construtoras e em outros elos da cadeia produtiva do setor.

Ao aderir ao Protocolo Climático, a empresa poderá informar suas emissões anuais e as eventuais metas para diminuí-las, a metodologia utilizada para mensurá-las, se os dados foram validados por uma certificadora, e outras ações para atenuar os impactos das alterações no clima.

Com estas informações, o governo estadual espera identificar empresas e entidades líderes em estratégias para enfrentar as mudanças climáticas, bem como instituir uma política pública que melhore a competitividade das empresas mediante a utilização de tecnologias limpas.

A parceria entre governo, empresas e entidades estabelecida no Protocolo é positiva. Conjugar esforços governamentais com os da iniciativa privada resulta em ações tecnicamente embasadas e eficientes para o alcance dos objetivos das políticas públicas.

Já a imposição unilateral destas políticas sem um conhecimento profundo da matéria mostra-se inócua, quando não prejudicial, ao mercado e à sociedade. Na área ambiental, este equívoco ocorreu diversas vezes no país.

Disseminar as informações fornecidas voluntariamente pelas empresas e associações contribuirá para reduzir as emissões de gases. O mercado também poderá conhecer práticas de eficiência hídrica, eficiência energética e de responsabilidade socioambiental com esse objetivo.

Tecnologias limpas e boas práticas ambientais que elevam a competitividade das empresas constituem a essência da construção sustentável preconizada pelo SindusCon-SP.

Tanto é assim que, para orientar as construtoras e incorporadoras, esta entidade lançou em 2013 o Guia Metodológico para Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Construção Civil.

Com o Protocolo, a construção e o governo paulista saem na frente, no esforço hoje mundial de conter o aumento da temperatura do planeta.

Aquecimento

Por Rafael Marko

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: