A baixa adesão ao seguro residencial

A explosão no Edifício Canoas, em São Conrado, no Rio, provocou uma morte, além de danos materiais nos apartamentos e 200 moradores fora de casa, por questões de segurança. O acidente trouxe também outro problema: a baixa adesão ao seguro residencial. Enquanto cerca de 30% da frota de automóvel no país é segurada, menos de 13% das residências no Brasil possuem algum tipo de seguro, de acordo com levantamento da Federação Nacional de Seguros Gerais (Fenseg).

Luis Guilherme Russo, diretor-presidente da Irigon, empresa especializada em administração de condomínios e locações de imóveis, esclarece que há duas modalidades de seguro, o do condomínio e o residencial. “O primeiro é obrigatório e cobre as áreas comuns do prédio, como garagens, halls de entrada, elevadores, playground e salão de festa. Já o residencial é facultativo e garante a cobertura em cada unidade, de acordo com a apólice”, explica Luis Guilherme, que é advogado com mais de 30 anos de experiência no ramo imobiliário.
Muitas pessoas não sabem se têm ou não o seguro.  Segundo a Fenseg, dos cerca de 68 milhões de domicílios brasileiros, apenas 9,1 milhões possuem a proteção residencial. Para auxiliar quem  tem dúvidas sobre o assunto, o diretor-presidente da Irigon dá orientações de quais cuidados devem ser tomados para garantir uma cobertura honesta.
“É importante  prestar atenção aos termos da apólice para se informar sobre a abrangência da cobertura do seguro. Também é necessário verificar os procedimentos para receber a indenização. Se estão detalhados, bem como a relação dos documentos exigidos para cada tipo de cobertura, para que fiquem sempre à disposição do segurado, no caso de sinistro. Outro cuidado é o de escolher empresas renomadas no mercado de seguros e corretores da confiança. Até porque o corretor é quem irá acompanhar o processo de indenização junto à seguradora”, explica Luiz Guilherme.
Ele informa que poucos sabem que é preciso a comunicação por escrito pelo segurado à corretora, da existência do sinistro documentadamente, com o respectivo pedido de indenização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: